O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

DICAS

Abaixo, você confere algumas dicas para melhor cuidar de seu pet.
Para quem está pensando em adotar um cão
Adestramento Inteligente
Transporte de Cães e Gatos





Para quem está pensando em adotar um cão

A primeira coisa a ser pensada é a escolha da raça.
Antes de adquirir um filhote, você precisa ter certeza da raça que melhor irá se adequar a seu temperamento, ao seu estilo de vida e ao seu orçamento familiar. Leve em conta o local em que o cão irá viver e, principalmente o tempo que terá disponível para dar atenção a ele. Além do aspecto físico, procure conhecer bem o temperamento da sua raça escolhida e os cuidados que ela exige.
Se você é do tipo "zen " não compre um Terrier mas, se pelo contrario, gosta de agitação, esqueça os cães orientais. Cães grandes precisam de espaços maiores e, um salário pequeno não sustenta um cão grande. Cães de luxo necessitam de cuidados especiais com os pêlos, o que implica em tempo e gastos. Cães de caça precisam se exercitar, ter atividades diárias. Cães de guarda também precisam de espaço e costumam ser muito ciumentos.
Tenha em mente que aquela gracinha, fofinha e gorduchinha que você está comprando hoje, um dia vai se tornar um cão adulto.

Jamais leve um filhote para casa, se , mesmo que por um lapso de segundo, passar por sua cabeça desfazer-se dele caso não dê certo. A aquisição de um cão deve ser responsável e definitiva.

Para saber mais sobre as raças de que gosta, leia revistas especializadas, pesquise na internet, ligue para os criadores. Depois de escolhida a raça, o primeiro passo é visitar os canis , onde você verá ao vivo e em cores, o cão escolhido. Assim você terá a oportunidade de conversar com alguns criadores especializados e obter informações mais detalhadas sobre a raça. O principal problema na compra de um filhote é a idoniedade do criador. Por isto é fundamental ir pessoalmente ao canil e conhecer os pais dos filhotes. Aproveite para observar as condições de higiene do local.
Não se deixe impressionar pelo conhecimento genealógico do criador. O fato dele saber de cor o pedigree dos cães, não significa que os crie bem. Muitos criadores gostam de fazer tipo, falando horas sobre as exposições de que participaram, sobre os prêmios que conquistaram, os exemplarem que importaram, etc. Outros adoram mostrar o amor que sentem pelos seus animais, e se pôem a falar sem parar sobre todas as gracinhas que eles fazem. Acione o seu bom senso.

Confie naquele criador mais equilibrado, que não quer te convencer de nada e que está disposto a tirar todas as suas dúvidas.

Cabe aqui lembrar que o criador sério se dedica no máximo a três raças diferentes. Esse pessoal que diz criar diversas raças, é na verdade, comerciante de cães. Um criador idôneo jamais vai forçar a venda de um cão. Pelo contrário, ao perceber que a raça não é a indicada para você, será o primeiro a lhe dizer e, algumas vezes, sugerir outra.
Um criador que preza seu nome, nunca vai colocar seus filhotes a venda em ruas, feiras de animais e pet shops. Os filhotes vendidos nestes locais são, quase na totalidade das vezes, oriundos de acasalamentos aleatórios, onde ninguém sabe ao certo, o que se tornarão quando adultos. E, o que é mais grave: costumam dar despesas extras com veterinários, já que na maioria das vezes são vendidos contaminados com doenças parasitárias e/ou infecciosas.
Por último, depois de comprado o filhote, leve-o a um veterinário de sua confiança para a primeira consulta e vacinação. É ele quem deve lhe ensinar todos os cuidados com a saúde do cãozinho. Ao criador cabe daqui pra frente, orientar somente quanto a educação do filhote.

Dra.Marília Russi de Carvalho
CRMV-SP 3652 - Médica Veterinária
proprietária do canil Sema-Piracanjuba
www.semabeagles.com.br

  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Adestramento Inteligente

O objetivo deste curso é apresentar seu cão de uma forma diferente daquela a que você está acostumado.
Como chamamos de "Sem Castigo", vamos começar por definir o que é castigo.
Castigo é um estímulo negativo, aplicado no momento presente por um ato cometido no passado (que pode ser um segundo ou uma semana) para que nunca mais se repita (no futuro).
Quem já tentou explicar a uma criança de dois aninhos o que é semana-que-vem, ontem ou depois de amanhã pode fazer uma idéia da dificuldade de um cão para associar uma agressão sua, seja ela verbal, física ou moral a alguma coisa que feito no passado e, principalmente, para que não repita no futuro.
É acreditar que um cão possa ter o conhecimento do lapso de tempo.

Obediência

É outra fantasia humana quando se fala de adestramento. Vamos definir:
obedecer é fazer o que você não quer porque alguém quer... Senão! No futuro haverá uma represália.

Cai no mesmo problema - conhecimento do lapso de tempo.

Assim, o único animal da face da terra com capacidade mental para obediência é o ser humano. Assim mesmo... é questionável.

Nós só sabemos ensinar a NÃO fazer coisas.

Depois que nascemos, a primeira palavra que a mamãe ensina é NÃO, a segunda também, e nós só iremos aprender a dizer mamãe, aos seis para sete meses.

Somos uma sociedade negativista, na qual, passamos 80% das nossas vidas pensando naquilo que a gente não quer.

Quando um dono-de-cachorro pensa em treinar faz uma listinha daquilo que ele não quer:
1. não fazer xixi no tapete,
2. não estragar as coisas,
3. não puxar a roupa na corda,
4. não fazer buracos no jardim,
5. não fugir quando se chama,
6. não comer as plantas,
7. não puxar na guia passeando na rua,
8. não pular em cima das pessoas,
9. não latir durante a noite,
10. não etc.

A grande dificuldade é ensinar o que a gente quer, o que a gente gosta.
Dessa maneira, nosso curso terá, como base, o que a gente quer que o nosso cão faça de maneira prática, além dos tão famosos "comandos de obediência" (que não será obediência).

1. Fazer xixi e cocô no lugar certo.
2. Enquanto filhote, roer somente o que lhes oferecemos.
3. Brincar somente com o que lhe é permitido.
4. Deixar de gostar de cavar buracos no jardim.
5. Vir correndo quando se chama.
6. Ter respeito pelas plantas.
7. Andar na guia passeando na rua ao lado do condutor.
8. Desgostar de pular em cima das pessoas.
9. Dormir em vigília durante a noite,
10. "Comandos de obediência" etc.

Bruno Tausz
Cinófilo e Etólogo - Rio de Janeiro - RJ

  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .




Dicas para Transporte de Cães e Gatos

Caixa de viagem: as caixas de transportes são seguras e confortáveis e, garantem a segurança para os animais. Você precisará de uma caixa de viagem (feita sob medida) para o seu animal. As melhores possuem uma alça (pegador) para transporte, trava para fechamento das portas, grades (fendas) de ventilação, cantos arredondados para limpeza fácil e bastante espaço.
Grade para carros: Você pode adquirir grades de segurança especiais que restringem os cães à traseira de uma caminhonete ou de uma perua. Isso evita que cães ou gatos sejam projetados para a frente se você tiver que frear de repente e, ajuda a manter o estofado do carro limpo.
Cintos de segurança:
Você também pode utilizar cintos de segurança para cães. Isso irá reduzir o risco de seu cachorro sair ferido em um acidente de carro. O uso do cinto possui a vantagem de evitar que o animal distraia o motorista pois, ficará preso ao banco traseiro.

DICAS PARA A VIAGEM DE CARRO:

  • evite alimenta-lo antes de viajar: facilitaria o vômito durante a viagem;
  • cubra com jornais e toalhas velhas o local onde ele irá ficar;
  • utilize telas próprias para janela quando for viajar durante o dia e em dias ensolarados e quentes;
  • sempre leve uma garrafa d'água grande de plástico;
  • a cada a duas ou três horas dê água para o seu animal e deixe-o sair para andar um pouco e fazer suas necessidades;
  • se parar o carro por algum tempo jamais deixe seu companheiro dentro do carro quando estiver sol ou muito calor. Os cães não conseguem dissipar o calor transpirando como nós e, poderão sofrer de intermação, podendo chegar ao óbito.

Como Calcular o tamanho da caixa para seu Cão ou Gato (IATA)

A = Comprimento do animal, desde o focinho até a base do rabo.

B = Altura das pernas.

A + ½B = extensão da embalagem.

C = Largura das costas do animal.

C x 2 = Largura da embalagem.

D = Altura do animal em pé, do topo da cabeça ou da extremidade da orelha, o que for mais alto.